Viagens

Em que trabalho enquanto estou fora do Brasil?

Uma das perguntas que as pessoas tem mais me feito ultimamente e que tem sido difícil de responder: afinal de contas, você trabalha com o que? Como consegue trabalho enquanto está fora do Brasil? Como viajar e trabalhar ao mesmo tempo? Esse talvez seja o maior desafio de quem quer se tornar nômade digital, como descobrir uma fonte de renda constante e suficiente para as despesas. Minha resposta não é simples, e lá no final do meu MBA, quando eu já tinha feito da viagem do Ainda Que Tardia meu projeto de conclusão de curso, a pergunta era exatamente essa, e a parte do Business Model Canvas que eu mais penei pra tentar descobrir uma resposta que me fosse satisfatória. E a resposta é: não parece ter uma resposta só. São várias. (mais…)

Por Ana Paula Coelho, atrás
Cursos

A escola de yoga na Tailândia que atrai pessoas do mundo inteiro

Morei 9 meses em uma ilha no Golfo da Tailândia, como já contei em outras histórias aqui e aqui. Mas resolvi contar um pouco mais sobre essa escola inacreditável que faz milhares de pessoas do mundo inteiro vir parar nessa pequena ilha de 10 mil habitantes na Tailândia, todos os anos: a Agama Yoga. Esse não é um post patrocinado, ao contrário do que possa parecer. É um post de agradecimento a essa escola de yoga na Tailândia que mudou minha vida. Tem uma história extremamente comum por aqui:

  • pessoas vêm para a ilha, algumas por “acaso” e outras por indicação de amigos;
  • Começam a fazer o curso intensivo de um mês de yoga para iniciantes que eles têm aqui;
  • Se apaixonam perdidamente por yoga;
  • Cancelam suas passagens de volta e se tornam professores de yoga na Agama.
São dezenas de pessoas com a mesma história, inclusive eu (ainda falta a parte de me tornar professora). Tem gente que fez isso há dez anos e ainda está aqui. Tem gente que fundou sua própria escola afiliada à Agama na Índia, na Estônia, na Turquia, no México, na Colômbia...

Mas o que faz essa escola de yoga na Tailândia ser tão especial?

Primeiro, é uma das primeiras escolas de Yoga de Ko Phangan (o nome da ilha no sul da Tailândia onde essa escola está). Está aqui há mais de 10 anos e por causa do sucesso dela várias outras escolas mais novas começaram a surgir no entorno. Depois há alguns fatores que fazem com que ela ainda se destaque ainda mais de qualquer outra por aqui (e de outras em outros lugares do mundo). (mais…)

Por Ana Paula Coelho, atrás
Jornada

Minha nada mole vida na Tailândia e as expectativas dos outros

Hoje o pai do Swami, fundador aqui da escola de yoga que estudo, faleceu, e Swami voou pra sua terra natal para estar com a família. Eu acabei de sair da cerimônia que a escola fez para seu pai, em que oferecemos preces para sua alma. Durante a cerimônia não pude deixar de lembrar dos meus pais, especialmente do meu pai, que deve ter mais ou menos a idade do pai do Swami. Lembrei que estou a meio mundo, literalmente dele, e que não vai ser fácil voltar em caso de alguma emergência. Graças a Deus, apesar de idosos e claro, com vários problemas de saúde por causa da idade, meus pais estão bem. Hoje anunciei, pela segunda vez (já que já tinha feito isso em dezembro) meu apartamento que está à venda. Também pela segunda vez disse que vou ficar na Tailândia, ainda sem tempo determinado (pode ser 3 meses, pode ser um ano, pode ser pra sempre. Eu não tenho essa resposta). Mas pela primeira vez conectei um fato ao outro, e acho que isso foi assustador pra algumas pessoas. Eu também sabia que, mais dia menos dia, iria enfrentar o julgamento, principalmente da família, pelas escolhas que estou fazendo. Porque as pessoas criam expectativas umas das outras, e aparentemente a expectativa que minha família tem de mim é que eu devo viver para sempre ao lado dos meus pais. Porque, se não casei, ou se não fui mandada obrigada por alguma empresa a trabalhar em outro lugar, de alguma forma as pessoas não acham justo que eu não esteja ao lado deles. Porque se a decisão de ir aprender coisas e viver minha vida e tentar ser feliz onde quer que eu esteja é inteiramente minha - eu não posso culpar mais ninguém por isso - aparentemente não é justo não estar mais lá. (mais…)

Por Ana Paula Coelho, atrás