Escolher fazer um Gap Year, além de um ano fora da sua rotina normal, no programa aqui da Uncollege consiste em começar com dez semanas de imersão na casa-escola em Ilhabela. Pra além desse lugar paradisíaco que já contei por aqui, a experiência que é oferecida aqui todos os dias é profunda. O programa começou no dia 13/04, uma segunda-feira. Logo no primeiro workshop (como são chamadas as aulas, já que sempre convidam à prática) fomos lembrados ou apresentados ao conceito de empatia.

E fomos também convidados a compartilhar nossas vulnerabilidades. Nossas histórias individuais, nossos traumas, medos, o que poderia nos atrapalhar a alcançar o que viemos buscar aqui. E esse compartilhamento de histórias tão íntimas, quando acolhidas pelos outros com empatia, cria conexões profundas e verdadeiras, logo de saída, entre todos que vivem essa experiência daqui. Também somos convidados a escrever nossos piores medos e nossos objetivos em uma tábua, que simbolicamente será quebrada por nós em um golpe de karatê. Qual a força da metáfora de termos medo de não quebrar a tábua, termos medo de não superar nossos medos para alcançar nossos objetivos. Mas todos conseguimos. 🙂

Superar medos para alcançar objetivos

A minha foi um pouco teimosa e resolveu não quebrar no lugar preparado para a quebra. Mas quebrou em outro lugar, num lugar ainda mais difícil. 🙂

Hoje faz pouco mais de duas semanas que estamos aqui e parece muito mais do que isso. Tenho certeza que a Laís, minha amiga que também está fazendo um programa de imersão no Chile, tem também a mesma impressão, de que se passou muito mais tempo do que o tempo cronológico. O tempo do aprendizado é relativo, quando se está em momentos de alto aprendizado, como nesses momentos em que nos desconectamos do mundo para viver intensamente o que queremos aprender, o tempo passa num passo diferente. Assim como o compartilhamento com as pessoas: a conexão que se forma com elas é rápida e densa. Tenho um grande carinho por esses fellows e sinto que encontrei irmãos e irmãs que carregarei pela vida aqui.

Somente amor. <3

Somente amor. <3

Cada um aqui aprende como quer e consegue, compartilha o que pode, e até os silêncios dizem algo a respeito do que cada um é capaz no momento. Há pouco julgamento e muito acolhimento, não há competição e sim colaboração, e o aprendizado individual se solidifica nas trocas com o grupo. Hoje a certeza é que essas duas primeiras semanas foram apenas o começo, há ainda muito aprendizado pela frente. Mergulhar mais ainda em mim mesma, superar meus medos e traumas, me conhecer profundamente para fazer escolhas mais verdadeiras e livres de julgamento sobre mim mesma. Para que assim como é dentro possa ser fora, para que eu possa alcançar uma paz interna que possa ser projetada no mundo à minha volta. Hoje teve um papo com o Thiago Berto, que tem uma história linda, e que disse uma frase que muito me marcou:

“A felicidade é uma linda paisagem; a paz é o mirante do qual você consegue contemplá-la.”


Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *