Procurando as melhores dicas para viajar para Ilhabela? Morei 5 meses em ilhabela, entre abril e setembro de 2015, e vivo sugerindo a amigos que conheçam esse paraíso. Como já estou me repetindo nas dicas de viagem, achei melhor produzir o conteúdo uma vez só, uma espécie de Guia de Ilhabela. Assim mando o link quando perguntarem e ainda posso ajudar outras pessoas por aí. Então começando: onde fica e o que é Ilhabela?

Como o próprio nome diz, é uma ilha no litoral norte de SP. É muito grande, tem mais de 300km² e é ligada ao continente por uma travessia de balsa (não há pontes ligando a ilha ao continente). Possui mais de 80% de sua área de mata atlântica preservada, e possui águas cristalinas que variam de característica segundo a posição na ilha. Mais ao sul e do lado oceânico conta com ondas adequadas para prática de surf; e a área voltada para o continente, o canal, mar calmo adequado ao stand up paddle. É conhecida como Capital da Vela, pois recebe muitos interessados em velejar, e sedia há mais de 40 anos competições do tipo. A ilha vai do nível do mar a mais de 1300 metros de altura, e por isso abriga mais de 365 cachoeiras (mas apenas cerca de 20% delas são acessíveis).

Ilhabela vista do mar, na região da Praia do Perequê. Pico do Baepi ao fundo.

Ilhabela vista do mar, na região da Praia do Perequê. Pico do Baepi ao fundo.

Como chegar em Ilhabela

A dica quente aqui é usar o site Rome2Rio, que mostra o trajeto incluindo avião, ônibus, balsa, táxi, trem, e o que mais for necessário pra você chegar em algum lugar. E mostra inclusive preços, ordenando da forma mais barata de chegar até a mais cara (cuidado só que a mais barata pode demorar dias pra chegar, fique atento). Mas coloco também instruções detalhadas abaixo.

Para quem vem de carro

Você precisa chegar em São Sebastião (estradas você consegue checar no Google), e atravessar de balsa para a ilha. Algumas dicas valiosas vão aqui:

  • Separe dinheiro para a balsa (custa cerca de R$25,00 a travessia por carro – preço de 2015) e cheque como está a operação dela no dia. Geralmente o embarque é rápido e a travessia de 15 min é tranquila, mas em feriados pode ter longas filas e ela pode não estar operando em dias de forte vento (a partir de 20 nós a balsa cessa a operação por segurança).
  • Separe também dinheiro para os pedágios, são vários de SP até São Sebastião;
  • Há também muitos radares de 40km/h na serra, fique atento para sua segurança e para não tomar uma multa indesejada.
  • Ilhabela possui estacionamento rotativo na Vila (centro histórico) de Ilhabela em finais de semana e feriados, fique atento à sinalização e compre o talão de estacionamento no comércio local.
Travessia de Balsa. Brinks.

Travessia de Balsa. Brinks.

De avião e ônibus

O melhor aeroporto para vir para Ilhabela é o de Guarulhos, já que nele mesmo é possível embarcar no ônibus para São Sebastião. Quem faz o trecho é a Pássaro Marron e é possível checar no site os horários e comprar a passagem (mas o site é feio e tem uma péssima usabilidade). Além disso os horários de Guarulhos não são muito confiáveis pelo site: eu recomendo comprar somente o avião e deixar pra comprar o ônibus ao chegar no aeroporto. E eles escrevem marrom errado (isso me incomoda um bocado, haha). O guichê da Pássaro Marron fica no terminal 2 e você precisa ter dinheiro vivo para comprar a passagem (cerca de R$50), eles não aceitam cartões.

A travessia de balsa para pedestres é gratuita, e o ônibus passa geralmente na balsa, portando não  precisa desembarcar na rodoviária de São Sebastião. Mas cheque com o motorista ao entrar. E se você pretende alugar um carro, faça isso ainda em São Sebá (como é carinhosamente chamada São Sebastião), e considere o custo de travessia já mencionado.

Você pode escolher vir direto de ônibus. Do Rio e de SP é possível chegar a São Sebastião de ônibus, mas não encontrei essa opção para quem é de BH. São Paulo possui os ônibus saindo para Ilhabela também do terminal Tietê.

Ao desembarcar da balsa em Ilhabela você encontra táxis à disposição logo na saída, numa pracinha à direita da Balsa. Eu recomendo especialmente o táxi do Giovani: um cara super legal que já viajou o mundo e fala várias línguas. Para falar com ele: (12) 99654-4253 e (12) 99797-7805. Você pode também querer chegar de transporte público onde estiver hospedado, há ônibus para vários bairros saindo de um ponto de ônibus próximo à balsa. A passagem custa hoje R$3,40.

Ilhabela - Baepi visto da balsa

Não é estonteante esse lugar?

Onde ficar em Ilhabela

O que não falta em Ilhabela são hotéis e pousadas, mas você pode também querer usar o AirBnB. Se quiser um lugar bom, bem localizado e barato aproveite o Hostel Central, do Daniel e da Ana. Ele fica no Perequê, que é o centro comercial da cidade, perto de supermercados, bancos e a cerca de 2km da balsa. Além disso o casal conhece profundamente a ilha e pode dar excelentes dicas do que fazer.

UPDATE DICA QUENTE DE ONDE FICAR HOSPEDADO EM ILHABELA: Um grande amigo meu que conheci aqui na Tailândia está gerenciando um hostel novo que fica mega-ultra-bem localizado, o Hostel da Vila: ele fica bem atrás da Santa Casa, na rua do meio, dá pra ir à pé pra maior parte das atrações da Vila! Se for pra Ilhabela e ficar hospedado lá, conte que você viu a dica aqui no meu blog!

Minha dica é: se quer paz e lindas praias, procure as regiões norte e sul da ilha (melhor para quem vem de carro ou aluga, transporte público é mais difícil nesses lugares). Quem está à pé ou quer mais vida noturna fique entre a balsa (Barra Velha) e a Vila, que é onde geralmente acontecem as atividades culturais e onde chegam os cruzeiros. Os bairros Saco da Capela, Pequeá, Perequê, são ótimas opções de estadia, fácil acesso a ônibus e ciclovias e também tem praias legais.

Dica importante: se estiver pensando em vir no verão ou feriados, saiba que a ilha lota com frequência. Então faça suas reservas com antecedência.

O que tem de ruim em Ilhabela – borrachudos

Mesmo o paraíso tem seu lado ruim, e como é basicamente um só, resolvi colocar antes das coisas boas. Aqui vivem mosquitinhos bebedores de sangue conhecidos pelo nome de borrachudos. Esses danadinhos mordem (isso mesmo, mordem, não picam) e deixam alguma espécie de anticoagulante muito alérgeno. Sendo eu  uma pessoa alérgica e planejadora, já soube antes de chegar aqui como me prevenir deles. Ainda assim, é impossível não ser picado, mas você pode diminuir sensivelmente o desconforto se tomar cuidados básicos.

borrachudo

Olha o meliante aí. Tão pequenino e faz tanto estrago esse borrachudo.

Questão de sobrevivência em Ilhabela contra borrachudos – repelentes especializados e pomada antialérgica. Há quem diga que tomar vitamina B resolve (eu vim tomando e continuei o uso por cerca de três meses). Como não faz mal e o excesso é eliminado pelo organismo, não vi porque não. Quem pretende fazer isso pode comprar em qualquer farmácia, não precisa de receita, custa cerca de R$35 90 cápsulas. Comece a tomar 10 dias antes de chegar e tome diariamente. Os repelentes que usei e funcionaram melhor foram o Off loção e o Bayer Exposis Extreme (mas esse fede muito, parece um inseticida, é muito forte. Só uso em casos extremos, quando quero ir em cachoeiras, por exemplo). Aqui na ilha o Exposis é bem caro, você pode querer comprar antes (eu paguei R$37 pela Onofre em Casa e aqui na ilha ele pode chegar a custar R$72!). As pomadas que mais usei foram a Fenergan creme, quando estava bem inflamado, e uma outra que mancha a roupa mas diminui bem a coceira, chamada Xô Mosquito.

Em todo caso cada corpo reage de uma maneira diferente aos mosquitos, e dependendo você pode precisar de ajuda médica (sério, uma das moças que veio fazer o programa precisou ir ao médico e tomar antialérgicos fortes pra desinchar o pé). Por isso tem gente que vem à ilha e nunca mais volta, de trauma dos bichinhos. Eles não são exterminados porque fazem parte do ecossistema, mas na parte mais habitada da ilha tem muito menos do que em cachoeiras e em praias mais afastadas (como Bonete e Castelhanos). E eles picam mais no início da manhã e ao pôr do sol, e principalmente nos pés e pernas. Mas eu sou muito alérgica e sobrevivi bem, e hoje eles me incomodam bem menos do que no início.

O que tem de bom pra fazer em Ilhabela – Tudo

A ilha é incrível. Boa infraestrutura, com ciclovias pra parte mais movimentada da cidade (Balsa – Vila), então vale a pena alugar uma bicicleta. O transporte público é bom para uma cidade de 30 mil habitantes. Há bons restaurantes (embora um pouco caros na maioria), bares legais e uma vida noturna agitada. Mas pra mim o melhor da cidade está de dia, não de noite. Praias com água cristalina e peixes nadando entre a gente, cachoeiras incríveis, pôres -do-sol magníficos, trilhas, esportes legais na praia, trilhas de jipe e passeios de barco. É uma cidade pequena super cosmopolita.

Praia de Castelhanos

Praia de Castelhanos com surfistas ao fundo

Praias

As da região central são as praias do canal: Perequê, Saco da Capela e Engenho D’água são as que mais frequento. Gosto da do Perequê para esportes (há quadras na praia, aluguel de stand up padddle e caiaque, entre outras opções). A do Saco da Capela é a do bairro onde eu moro, é ótima para nadar e curtir um sol e um quiosque na praia. A do Engenho D’água é linda, com um bom gramado, um píer e o Campo da Aviação, outro lugar para esportes. Na Praia de Santa Tereza, que fica logo após a Vila, toda quinta pela manhã chegam pescadores e você pode comprar peixes frescos, camarões e lulas a preços inacreditáveis. Nenhuma delas tem ondas, e são boas para crianças e quem não tem muito hábito com mar.

saco da capela vela

A escola de vela usa a praia do Saco da Capela para aulas com crianças.

Há ainda as praias ao norte, que ainda não explorei muito, exceto pela Praia do Sino, que tem uma curiosidade: uma pedra que ressoa como um sino quando batemos nela com algo metálico. Mas passei por várias praias lindas e é uma região pouco explorada. Já as praias da região sul são excelentes por estarem muito perto de várias cachoeiras, então no mesmo dia dá pra curtir os dois. A que mais vou é a Praia Grande (viva o restaurante do Barba e seus excelentes frutos do mar), mas imagino que ela deva ficar lotada em feriados e no verão, então se não gosta de agito, melhor escolher outra praia. A do Julião, logo ao lado, é lindíssima e é possível passar de uma pra outra por uma trilha. Mas se quer um lugar incrível no sul, é a Ilha das Cabras. Lá é possível fazer mergulho e a praia super pequena é um charme. As praias do norte também não tem ondas, mas as do sul já oferecem essa possibilidade.

Praia do Sino

Praia do Sino, ao norte da ilha.

água cristalina do Bonete

Não importa quão fundo você nade, você enxerga claramente seus pés.

Mas as mais queridas são as praias do lado oceânico de Ilhabela. Em sua maior parte com pouca ou nenhuma infraestrutura, habitadas por comunidades de pescadores locais, sem energia elétrica, acessíveis na maior parte apenas de barco ou trilhas dentro da Mata Atlântica. As que já conheci e que valeram muito o passeio são a de Castelhanos, na qual somente se chega de jipe por uma trilha dentro do parque (beleza estonteante) e Bonete, na qual só se chega por uma trilha de cinco horas à pé, passando por várias cachoeiras, ou de barco, como eu fui. A água é de um verde cristalino absurdo e tem um lindo rio que chega na praia, também de águas cristalinas. Há vários passeios de barco e jipe para essas praias, geralmente a um custo de R$80 por pessoa de jipe para Castelhanos e R$150 de barco para o Bonete.

Panorâmica da Praia do Bonete

Não à toa que o Bonete já foi eleito uma das praias mais lindas do mundo.

Cachoeiras

Conheci poucas cachoeiras ainda, talvez por conta dos borrachudos desanimadores já mencionados, talvez pela proximidade com o mar, talvez pela necessidade de quem conheça a trilha. Mas as duas que fui são lindas, e tenho uma terceira na lista pra conhecer o quanto antes. A Cachoeira Água Branca, que fica no bairro de mesmo nome, é de super fácil acesso e tem uma parte que dá pra escorregar. Vale a visita.

cachoeira_agua_branca

À esquerda a trilha que oferece vários pequenos poços para banho. À direita, o poço principal, que dá pra escorregar na pedra e cair no poço.

Ela fica logo após a Cachoeira da Elektro, onde fica o Museu Náutico. A cachoeira da Elektro não pode ser usada para banho, apenas apreciação, e fica logo atrás do museu. A da Água branca fica acima, subindo uma trilha bem fácil, uns 10 minutos.

cachoeira_da_elektro

Cachoeira da Elektro, que fica logo atrás do Museu Náutico.

ponte_trilha_cachoeira_gato_ilhabela

O quão idílica é essa cena?

A outra cachoeira que conheço é a do Gato, que fica na baía de Castelhanos. Primeiro você precisa chegar à praia de jipe, como já explicado acima, depois subir uma trilha de cerca de meia hora no meio da mata, com direito a ponte suspensa e árvores centenárias. A trilha é de dificuldade média e a cachoeira vale o esforço, são 70 metros de queda em um lindo poço e a vista é sensacional. Para saber onde fica, peça ajuda aos locais ou ainda melhor, ache um guia. A trilha é bem sinalizada mas é importante ter alguém que conhece o caminho e pode alertar de perigos. Muitos motoristas de jipe já fazem esse papel, converse com o que você contratar.

cachoeira_gato

A queda de 70 metros da Cachoeira do Gato, em Castelhanos.

Mirantes e píers

Ilhabela possui diversos lugares bonitos para apreciar a paisagem ou o pôr do sol. Em quase todas as praias que fui havia pelo menos um píer disponível. Além disso, há o Mirante do Perequê (que fica próximo ao píer do Perequê) e outro mirante ao norte da ilha (confesso que boiei e não anotei o nome desse mirante), mas fica logo depois da Praia de Santa Tereza, seguindo ao norte na mesma rua.

por_do _sol_ilhabela

Apenas pare em qualquer lugar ao pôr do sol que provavelmente você verá um espetáculo.

Um lugar que estou louca pra ir mas ainda não tive oportunidade é o Pico do Baepi, com 1048 metros de altura. É uma trilha que precisa de guia, muita gente se perde, e precisa ser um dia perfeito, sem nuvens, para apreciar a vista.

Restaurantes e vida noturna

Vida noturna em Ilhabela não é muito barato e não é meu foco, então tenho poucas (mas boas) dicas de onde ir. Para Hambúrgueres e outros sanduíches deliciosos e caseiros, a Borrachudo Sanduicheria (lição de problema x oportunidade) que fica na Vila. Para um jantar romântico ou com amigos, o Me Gusta Ceviche e Pisco (recomendo fortemente a lula frita – Croc Croc, o ceviche Mexican Style – pra quem gosta de comidas bem cítricas – e o Pisco Sour). O Me Gusta fica no bairro Saco da Capela. Para almoços bons e baratos para dividir com muita gente, o restaurante Brasileirinho, na Vila. Quando dizem que um prato é pra dois, serve quatro bem. Meus preferidos são o Escondidinho Piauí (se não estou trocando o estado do nordeste) e Trem Bão. Não gostei muito do carro chefe, o Camarão na Moranga, apesar de ter sido grande e com camarões graúdos, achei que faltou tempero. Seja qual for sua opção, prepare o bolso, as contas superam os três dígitos com alguma facilidade, os preços são padrão SP capital, ou um pouco mais caros. Ah, e se quiser comer bem e barato aproveite o único food truck que já vi em Ilhabela: a Nhackombe. O chef faz yakissobas maravilhosos a preços entre 16 e 30 reais. Vale muito a pena, dos melhores yakissobas que já comi.

Para sair, recomendo o Casa Aberta, no Perequê, para um happy hour ou samba (consulte sempre a programação da casa, ela não abre todos os dias nem tem show sempre) e o Estaleiro, na Vila, para ficar madrugadas afora no forró ou com qualquer banda da diversa programação alternativa da casa. Há outras casas noturnas ou lugares de festa que não fazem meu estilo, dê uma procurada se seu objetivo é cair na noite. Ah, e se quiser tomar um maravilhoso gelato, a Gelateria Tradizionale fica aberta até meia noite!

Se ligue também na programação de shows gratuitos que ocorrem na cidade. Na maior parte das vezes é na Vila, na praça mesmo, entre o Estaleiro e o Borrachudo.

Lugares úteis

  • Um bom supermercado local é o Frade, tem no Perequê e em Itaquanduba. Bancos são todos no Perequê, exceto pela Caixa que é na Vila, perto do Brasileirinho.
  • As maiores farmácias estão no Perequê também, mas há algumas pequenas na Vila.
  • Se você precisar de atendimento médico, vá sem medo ao SUS, não existe hospital privado em Ilhabela mas o SUS funciona.
  • Se precisar de internet, quase todo comércio local oferece a senha da Wi-Fi, mas você pode escolher tomar um café delicioso no Ponto das Letras ou se precisa de um espaço mesmo pra trabalho, vá ao primeiro coworking de Ilhabela, a Casco Conecta. Há a internet da prefeitura também em vários pontos da cidade, mas comigo quase nunca funciona. Reza a lenda que é preciso fazer um cadastro, mas eu nunca consegui.
  • O correio acabou de se mudar do Perequê para o bairro Água Branca, ao lado do Banco do Brasil, dá pra ver da avenida principal, que vai para a Balsa.

Fiz o post mais longo desse blog, mas valeu a pena, acho que dei todas as dicas boas que sabia. Conhece Ilhabela e acha que faltou alguma dica importante? Comenta aí!

UPDATE JANEIRO 2016 – Povo lindo, fico feliz que esse post faz sucesso e que tem um monte de gente achando ele no Google e me perguntando mais coisas sobre a cidade. Mas tem coisas que eu não consigo ajudar, do tipo conseguir hospedagem (todas as dicas que tenho sobre isso estão no post) e horários de ônibus, balsa e afins. Nesses casos é melhor olhar diretamente com imobiliárias, empresas de ônibus, a empresa de balsa, etc. Como eu não tenho informação oficial e já tem 5 meses que estou fora do Brasil, posso falar bobagem sem saber, então, buscar a fonte oficial nesses casos é o mais indicado, ok?

UPDATE AGOSTO 2016 – Outra pergunta super comum é “setembrochove”? Só morei na ilha 5 meses, minha gente linda, e não quer dizer que porque no mês que eu morei lá não choveu, que não vai chover de novo. Litoral paulista chove, ponto. Consulta esse site aqui pra saber e pra facilitar eu colei a imagem de média de chuva anual pra ilhabela, que tem no wikipédia, aqui embaixo, ok?

clima_ilhabela_media_anual_chuva

(Visited 4.076 times, 10 visits today)