Das coisas mais difíceis que duas pessoas que se amam precisam fazer é se comunicar.

Comunicar no sentido verdadeiro, de encontro de consciências. De conexão de sentimento.

Não te culpo nem me culpo por não conseguirmos, na maior parte das vezes. Você não é tão ruim quanto pensa em dizer o que pensa.

Eu não sou tão boa em dizer o que penso quanto você pensa que eu sou.

Por diversas vezes ficamos tentando adivinhar o que há por trás das palavras. Ou atitudes.

Quando o que precisamos de verdade é parar de fazer ter algo por trás de nossas palavras.

É conseguir dizer, da forma mais clara, e sincera, e amorosa, aquilo que queremos um do outro.

É falar com o coração. Eu sei que você sabe, não minta pra si mesmo dizendo que não.

Essa comunicação é sobre empatia em vez de simpatia. Conforto em vez de conselho.

Na maior parte das vezes que eu falo com você sobre algo difícil, eu não quero que você me diga o que fazer. Eu só quero que você me ouça.

Seu “eu estou aqui para você” vale mais do que qualquer pérola de sabedoria que você fique tentando me dizer.

Eu contei pra você meus piores medos, minhas maiores inseguranças. E a melhor coisa que você me deu de volta foi um abraço apertado. E foi a melhor coisa do mundo, de verdade. Eu não queria nada além daquele abraço apertado.

Você sabe e eu sei que ambos temos nossa lutas individuais. E quando te peço apoio pra minha, saiba que é só aquele abraço que procuro.

Categorias: Jornada

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *