Quarta feira de cinzas de 2015. Depois de uma noite insone de choro e desespero, sabendo que o jeito que eu levava minha vida não me fazia mais feliz, às 7 da manhã da porta de um supermercado por abrir eu escrevi um dos mais importantes e-mails da minha vida. Foi quando decidi chutar de vez o balde, e pra isso mandei uma mensagem para o UnCollege perguntando de opções de financiamento para fazer um Gap Year – tirar um ano sabático – com eles.

Eu estava às vésperas de ser demitida do trabalho (e já desconfiava disso), tinha um não-relacionamento que estava muito doído, meus colegas de apartamento já tinham decidido se mudar para outro apartamento, e eu tinha que decidir se ia ficar ou se ia embora. Depois de mandar esse e-mail, comecei a mover minha vida para uma nova direção – ainda que não soubesse exatamente que norte era esse.

Alguns dias depois fui mesmo demitida (para minha alegria) e me coloquei a trabalhar para mim mesma, como contei aqui. Em um mês vendi carro, entreguei apartamento, vendi coisas, tirei passaporte, tomei vacinas, fiz check-up, providenciei procurações, e tudo mais para deixar minha vida em ordem antes de sair nesse ano de aventura. O UnCollege me aceitou como fellow e eu parti para Ilhabela no início de abril. Mas tudo começou naquela quarta-feira de cinzas de 2015.

O que aconteceu depois que chutei o balde

Meu primeiro medo ao chutar o balde e sair por aí é que não estivesse preparada o suficiente para me virar sozinha. Apesar de sempre ter sido super independente, nunca tinha feito uma viagem internacional e não sabia se conseguiria me virar com tudo. Para isso, a Launch Phase do UnCollege foi fundamental pra me preparar: fisica, emocionalmente e com as habilidades práticas que precisava para tal. Com o coaching e mentoria oferecidos por eles fui capaz de escolher o lugar mais que perfeito (ainda que eu não soubesse ainda o quanto) para meu propósito, e providenciar tudo mais que precisava para fazer essa viagem. Isso se chama Hackschooling, e eu contei um pouco sobre esse processo aqui:

O que é hackschooling (hangout);

O que aprendi na Launch Phase do UnCollege;

O momento maravilhoso que eu antingi o vazio (e não sabia mas eu precisava mesmo me esvaziar para me encher de novo);

Novamente me encontrei num momento de incerteza. Vocês não tem ideia o quanto é angustiante para alguém como eu, que tentava sempre planejar e controlar coisas, como foi difícil vir para a Tailândia tendo apenas três coisas decididas para fazer: voluntariar num hostel em Bangkok por duas semanas, voluntariar em um resort que oferecia yoga por três semanas e depois fazer um retiro de meditação Vipassana por 10 dias. Parece uma viagem bem planejada para alguns, mas para mim era puro desespero. Eu ainda teria um mês sem saber o que fazer.

Aí essa ilha incrível onde estou, Ko Phangan, aconteceu. Eu não tinha ideia que a vida tinha escolhido a Tailândia para mim, e não o contrário. Reaprendi e redescobri coisas sobre mim e comecei a fase de reais mudanças da minha vida, escolhendo fazer um intensivo de um mês de yoga (level 1 da Agama) e a partir disso resolvi simplesmente não voltar da minha viagem. Cancelei a passagem de volta e fiquei aqui.

Até acroyoga já me atrevi a tentar

Até acroyoga já me atrevi a tentar

Meus primeiros ensinamentos da yoga;

Quando decidi não ir para o Vipassana e fazer o intensivo de yoga;

O dia que minha calça rasgou no meio da aula;

Quando comecei a enfrentar meu medos de frente e me tornar a mulher que posso ser;

Eu resolvi ficar para aprender Tantra, e quando escolhi isso, quando percebi o quão profundamente isso está conectado ao meu propósito, as coisas começaram a acontecer. Comecei meu terceiro nível de yoga na escola, fiz três workshops de Tantra aqui e mais um fora, várias massagens tântricas e até um hangout sobre isso para contar o que tenho aprendido aqui. E estou só no começo da jornada.

Os cursos de yoga e tantra que já fiz.

Os cursos de yoga e tantra que já fiz.

Yoga, Tantra e liberação feminina;

Aceitando seu lado negro;

Sobre expectativas;

Como aprender a se amar;

Por que repetimos nossos “erros”;

Um ano depois da minha decisão de chutar o balde, 10 meses depois de sair de Belo Horizonte e cinco meses depois de sair do Brasil, tenho certeza apenas de uma coisa: estou no caminho certo. Só não me perguntem qual é esse caminho ainda porque estou na estrada perguntando.

E se quiser vir para cá também, veja esse guia de Ko Phangan que preparei e também esse post sobre a escola de yoga que estudo. 🙂

Categorias: Jornada

8 Comments

jptrrs · 10 de fevereiro de 2016 às 10:47

Animal, Ana!

Cristina Leonhardt · 10 de fevereiro de 2016 às 16:39

Ana Paula, eu tenho a impressão de ter achado uma alma gêmea. Parece que nós duas passamos pelas mesmas coisas, nos mesmos momentos e nos mesmos lugares.
Também estava infeliz, também planejei uma viagem (só que em família), também fui demitida, também fui para a Ásia (só que já voltei :P).
Que bom ter te encontrado. Estou devorando o teu blog.

Rodrigo Zazá Borges · 4 de maio de 2016 às 14:33

Oi Ana quem me indicou ver seu blog foi a Sofia Fada, fiquei muito feliz de ler o primeiro post dessa sua trajetória, parabéns, mais do que fazer a diferença na sua vida tenho certeza que você será o incentivo para várias pessoas que buscam um caminho de verdade.

juan fonseca · 24 de abril de 2017 às 07:36

A sua loucura é animadora, acho que preciso disso.

    Ana Paula Coelho · 24 de abril de 2017 às 09:28

    Oi, Juan! Pois é, parece que tem um certo tipo de loucura boa que é contagiosa. Espero que você faça aquilo que seu coração pede! Abraços,

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Posts Relacionados

Jornada

A coragem de largar tudo

O Ainda Que Tardia completou três anos. Um sonho de liberdade que nasceu num rascunho de papel num carnaval em 2014, virou blog em abril do mesmo ano, virou projeto de viagem de volta ao Leia mais…

Jornada

Coisas que aprendi sobre o Brasil fora do Brasil

Passei 9 meses morando na Tailândia e foi um incrível período de aprendizados constantes em muitas áreas. Uma delas foi sobre aspectos que não dava atenção antes de sair do Brasil, e que fora dele, Leia mais…

Jornada

Não é com você, é comigo

Você já deve ter escutado essa frase, provavelmente em um término de relacionamento: “Não é você, sou eu…”. Eu achava que fosse uma mera desculpa (e para algumas pessoas talvez seja), mas hoje entendo a verdade que essa expressão Leia mais…