As pessoas não enxergam beleza nem felicidade no dia a dia.

Elas não enxergam o que está bem na frente delas, é só esticar a mão e pegar.

Todo mundo fica esperando o momento ideal pra ser feliz.

“Não estou maquiada”, disseram.

“Estou sozinho”, disseram.

“Quem eu quero não está aqui”, disseram também.

“Depois eu faço”, outros disseram

“Tenho vergonha”, sentenciaram.

Que vergonha é essa de ser feliz? De esticar o braço, dar um abraço e compartilhar com o outro ou os outros, em carne e osso ou fibra ótica, aquele pequeno momento feliz?

Todos os dias temos esses momentos. E os deixamos passar porque estamos com vergonha, estamos sozinhos, não estamos prontos, não estamos com quem queremos ou simplesmente deixamos a felicidade pra depois.

Pras pessoas, ela sempre está depois, no futuro, não no agora, no outro e não em mim. Que medo é esse que temos de sermos felizes aqui e agora, com o que temos em mãos?


Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Posts Relacionados

Jornada

A coragem de largar tudo

O Ainda Que Tardia completou três anos. Um sonho de liberdade que nasceu num rascunho de papel num carnaval em 2014, virou blog em abril do mesmo ano, virou projeto de viagem de volta ao Leia mais…

Jornada

Coisas que aprendi sobre o Brasil fora do Brasil

Passei 9 meses morando na Tailândia e foi um incrível período de aprendizados constantes em muitas áreas. Uma delas foi sobre aspectos que não dava atenção antes de sair do Brasil, e que fora dele, Leia mais…

Jornada

Não é com você, é comigo

Você já deve ter escutado essa frase, provavelmente em um término de relacionamento: “Não é você, sou eu…”. Eu achava que fosse uma mera desculpa (e para algumas pessoas talvez seja), mas hoje entendo a verdade que essa expressão Leia mais…