Parei pra analisar os dados do blog, de onde vem tráfego, como as pessoas chegam aqui. E achei algumas coisas bem curiosas nos termos de busca que fizeram a galera aterrissar no Ainda Que Tardia. Fora um pico de termos de busca relacionados provavelmente a um dever de casa passado por uma professora, achei muito divertido descobrir que no fim das coisas estou conseguindo fazer as pessoas encontrarem o que eu também procuro: liberdade. Afinal de contas, é sobre isso que é o Ainda Que Tardia, sobre essa liberdade suprimida não apenas no nome do blog, mas de nossas vidas.

Eu também já me senti oprimida pelo trabalho e pelo estilo de vida. Queria descobrir como fazer pra ser livre. Como ganhar dinheiro fazendo coisas no meu tempo livre. Como ter mais tempo livre. Como transformar completamente meu estilo de vida. Ainda estou no processo, mas já consegui romper com um bocado do que é o estilo de vida tradicional. E é engraçado quando faço vídeos no Periscope e digo pras pessoas que moro hoje em Ilhabela, que não tenho um trabalho em tempo integral. As reações são quase sempre incrédulas e de achar que dependo dos pais ou de outra pessoa pra sobreviver. Já faz 5 meses que saí de BH, 6 meses que deixei meu emprego formal. E hoje tenho dificuldade em pensar em voltar pra um emprego de 9 às 6.

Das coisas divertidas e reveladoras que pessoas buscaram no Google e acabaram me achando:

Sobre liberdade

  • “criar raízes ou ser livre”
  • em vez de criar raízes queria criar asas
  • “asas, para que as quero? liberdade… para que e como?”
  • o que e liberdade pras pessoas”
  • “viajar ou criar raízes”
  • quero descobrir coisas novas”

Minha resposta para vocês é: viaje. Viaje mesmo, viaje muito. Pra onde você puder, com o dinheiro que tiver, mesmo se não tiver nenhum sobrando. Pra viajar você precisa mais de coragem do que de dinheiro. Mas a liberdade de verdade está dentro de você, não nos lugares que você vai. A diferença é que, ao descobrir novas coisas, novas culturas, novas pessoas, você vai descobrir novos jeitos de viver. E com isso, vai desacorrentar a liberdade que está aí no seu peito, esperando pra criar asas.

Sobre descobrir propósito

  • “como descobrir o que eu quero fazer da vida”
  • “perguntas para nortear a construção do Golden Circle”

Que sensacional que vocês estão também buscando descobrir o que amam, o que faz o coração bater mais forte, e como descobrir isso. Talvez seja um dos assuntos que mais falei aqui, propósito e Golden Circle.

Sobre coisas práticas

  • “flagcx emprego”
  • casa do UnCollege em Ilhabela
  • “coisas para fazer nas horas vagas que de dinheiro”
  • “empreender fazendo trufas”

Tem gente querendo trabalhar na Flag, um grupo de empresas de comunicação disruptiva. Não é só você, ela talvez seja a única empresa que hoje me faria voltar pra um modelo formal de trabalho. Não sei como faz pra trabalhar lá, a não ser que você precisa ser muito inovador, criativo e ter pique. Mas todas essas coisas de verdade, não é só descrição de vaga que vemos por aí. De todo mundo que já tive contato com na Flag, apenas uma pessoa tem uma aparência “normal” e ninguém conversa sobre assuntos desinteressantes. Então se você é um misfit na sociedade, tem grandes chances de trabalhar lá. Se parece uma pessoa normal, talvez lá não seja pra você. Se você tem dinheiro pra investir e quer muito trabalhar lá, fazer o curso Translators of disruption pode te dar pelo menos uma chance de conhecer Roberto e Luisa Martini. Eu fiz uma das cinco edições do ano passado e agora eles estão fazendo novas turmas no RJ, SP e Poa.

E sobre empreender, olhem esses posts de como empreender nas horas vagas e como realizar seus sonhos.

Sobe como a vida é difícil

  • “É muito forninho pra pouca Giovana”
  • aqueles que nunca reclamam
  • para descobrir sobre a vida e porque acontecem as coisas”

¯\_(ツ)_/¯

Sobre aqueles que colam

  • “peguei um trabalho da internet tcc e apresentei e”
  • como espalhar a felicidade atraves do movimento” (sério, tem trocentas buscas parecidas com isso que a galera veio parar aqui no blog. Não sou o Zé Moleza, gente.)

Se o modelo formal da escola não serve pra vocês, talvez o UnCollege seja uma boa opção. 😉

Categorias: O Projeto

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Posts Relacionados

O Projeto

A importância de prototipar

Durante todo esse processo do Ainda Que Tardia talvez o mais valioso aprendizado que tive foi o da importância da prototipagem. Só fazendo e colocando as coisas em prática, testando, vendo como se comporta o Leia mais…

O Projeto

Coragem

Eu e Fabi acabamos de conseguir, em um tempo recorde, contra todas as chances possíveis e imagináveis (até de fazer uma ligação e falar com alguém na Itália na última hora do nada fora do Leia mais…

O Projeto

Abrace o erro

A hora de começar a correr atrás da liberdade chegou. Embarco dia primeiro, já com o Ainda Que Tardia na mala, para a América do Sul. Não sei como vai ser, nem sei nem como Leia mais…