Eu às vezes tenho a sensação que poderia estar fazendo as coisas mais rápido. Você também tem essa sensação? Por vezes me pego pensando que devia me esforçar mais, ser mais disciplinada, e às vezes isso vai para o extremo de me culpar por não ter feito algo. Como culpa é um sentimento inútil, às vezes é preciso me lembrar de que estou fazendo muito. Um dos jeitos que consegui diminuir essa sensação de que “não tenho feito nada”, é colocar tudo que faço na minha agenda do Google. Assim eu sei quantas horas tenho gasto com trabalho, yoga, socializar, limpeza de casa, organização e afins. Assim tenho contado o tempo que gasto comigo e com os outros. E o tempo que vendo em troca de dinheiro pra viver e fazer o que gosto.

Mas além disso há momentos especiais em que precisamos decidir algo ou simplesmente nos lembrar do que já passamos para estarmos aqui. Eu descobri que um bom jeito de me lembrar disso é fazendo listas. Pode ser de grandes acontecimentos da sua vida ou daquelas superações diárias, de coisas que antes pareciam impossíveis e hoje parecem fáceis. Eu estou num desses momentos, em que preciso me lembrar do caminho que percorri para chegar até aqui e ser mais gentil comigo mesma. Então coloco aqui duas listas diferentes como exemplo de como pode ser feito.

Lista da história da Ana

  • Não parar de estudar aos 8 anos, quando estava super desmotivada com o ensino tradicional;
  • Passar em uma ótima colocação para a escola secundária;
  • Pagar meu curso de lógica da programação com meu primeiro salário;
  • Começar a dar treinamentos antes dos 20;
  • Ser promovida pela primeira vez com cerca de um ano de trabalho;
  • Passar nos primeiros lugares no meu curso, mais de uma vez;
  • Conseguir bolsa para cursar a faculdade;
  • Comprar um apartamento financiado aos 21 anos;
  • Me formar sendo oradora da turma;
  • Ter uma rápida progressão de carreira;
  • Comprar um caro financiado em cinco anos;
  • Começar a dar aulas em universidades;
  • Cursar meu MBA;
  • Vender o carro financiado assim que terminei de pagá-lo;
  • Chutar o balde dessa vida toda que construí;
  • Conseguir uma bolsa parcial para cursar o UnCollege;
  • Viajar para o exterior pela primeira vez aos 32 anos;
  • Resolver ficar na Tailândia para aprender Yoga e tantra.

Uma outra lista possível é de desafios mais específicos, como estas duas abaixo:

Lista de amor próprio da Ana

  • Ao ter mais uma crise de coluna, procurar métodos alternativos de tratamento (acupuntura/setembro/2013);
  • Começar a meditar (abril/2014)
  • Ouvir a pergunta que desencadeou meu processo, e me entregar à reflexão e re-conhecimento de mim mesma (set/2014);
  • Repensar os métodos que vinha usando (de terapia à vulnerabilidade e apoio de grupo);
  • Usar acupuntura novamente para parar de tomar remédios para enxaqueca (março/2015);
  • Tentar Yoga pela primeira vez (abril/2015);
  • Persistir na Yoga mesmo que me causasse dores (junho/2015);
  • Quando os planos da viagem deram errado, pensar em Yoga e meditação como atividades para a Tailândia (agosto/2015);
  • Decidir fazer uma Massagem Tântrica (Yoni Massage – outubro 2015);
  • Decidir fazer o Level 1Yoga Intensive course na Agama (Outubro 2015);
  • Decidir fazer o Tantra Essentials (novembro/2015);
  • Decidir ficar na Tailândia para aprender Yoga e Tantra (dezembro/2015);
  • Conseguir coordenar o Erotic Tantric Rituals e o Tantric Lovers (janeiro/2016);
  • Fazer os níveis 2 e 3 na Agama e conseguir meu Red Sash (março/2016);
  • Reaprender a trabalhar sendo dona do meu tempo (desde junho/2015 – e ainda aprendendo).

Lista de pequenas (grandes) conquistas sobre meu corpo

  • Procurar uma nutricionista funcional e descobrir como meu corpo reage a determinados alimentos (2012);
  • Me recusar a fazer dietas (2014);
  • Me desafiar a dançar forró eventualmente (2014);
  • Começar a olhar para meu corpo com menos julgamentos e mais compreensão (set/2014);
  • Explorar novas práticas (Tantra – Outubro 2014)
  • Fazer um mindshift sobre exercícios físicos na academia, conhecendo melhor meu corpo (dez/2014);
  • Me disciplinar a colocar mais atividades físicas no meu dia-a-dia (caminhar, nadar, andar de bicicleta – 2014/2015);
  • Persistir na Yoga mesmo que os exercícios parecessem impossíveis e fossem dolorosos, apenas por reconhecer que meu corpo estava gostando (abril/junho 2015);
  • Recobrar a conexão com meu corpo e explorar novos limites (outubro/2015);
  • Reaprender a comer e refazer minha relação com os alimentos (novembro/2015).

Essas listas dão ideia da transformação que tem ocorrido na minha vida nos últimos três anos, e mesmo assim tenho a sensação de que poderia estar me movendo mais rápido. Por isso mesmo que é bom fazer listas como essas, que nos dão a sensação de reconhecimento e medem nossos esforços e resultados. Eu sou super fã de listas das mais diversas, e elas me ajudam a colocar a cabeça no lugar de vários jeitos. Qual seria sua lista de reconhecimento das suas conquistas para si mesmo?

Categorias: JornadaSeja Livre

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Posts Relacionados

Cursos

Lugares em BH que ajudam seu Negócio Local

Ser microempreendedor de um negócio local não é tarefa simples. Muitas vezes o microempresário é o único responsável pelo pequeno negócio acontecer: desde compras, produção, vendas, marketing a gerenciamento financeiro do negócio. Já pensou em Leia mais…

Dicas de Viagem

Como economizar dinheiro para viajar

Sempre tenta guardar dinheiro para viajar mas fica só no plano? Aprender como economizar dinheiro para viajar é uma das minhas tarefas diárias. Desde que resolvi sair do modo de vida padrão empregado 8 horas/dia Leia mais…

Jornada

A coragem de largar tudo

O Ainda Que Tardia completou três anos. Um sonho de liberdade que nasceu num rascunho de papel num carnaval em 2014, virou blog em abril do mesmo ano, virou projeto de viagem de volta ao Leia mais…