Inspiração

Não é com você, é comigo

Você já deve ter escutado essa frase, provavelmente em um término de relacionamento: "Não é você, sou eu...". Eu achava que fosse uma mera desculpa (e para algumas pessoas talvez seja), mas hoje entendo a verdade que essa expressão pode carregar. Quando assumimos a responsabilidade da autonomia das nossas ações e escolhas, nada mais se torna culpa do outro. Nada que a outra pessoa disser ou fizer, poderá ser usado como justificativa para nossos atos ou escolhas. E isso é altamente assustador para a maioria de nós. Quando comecei esse blog e a proposta de investigar a liberdade, logo uma amiga me apontou na direção de Jean Paul Sartre. Sartre afirma que o homem aliena-se (ou seja, abre mão) da própria liberdade por não suportar o peso das próprias escolhas. Quantas vezes fazemos isso diariamente? Estamos chateados porque alguém fez algo conosco, ou algo aconteceu com a gente. Ou seja: atribuímos a algo externo o poder de mudar algo em nós. Na maior parte das vezes não percebemos que a nossa reação a um fato que acontece conosco nada tem a ver com o fato em si, e que temos escolha sobre nossa ação ou re-ação. E que todo o poder sobre nossa mudança, ou não-mudança está em nós mesmos. (mais…)

Por Ana Paula Coelho, atrás
Inspiração

A volta de uma viagem transformadora

Fazer uma viagem transformadora é algo maravilhoso. Muita gente exalta as vantagens de se passar um tempo fora do país, de sua própria cultura – não como turismo, mas morando em outro lugar, vivenciando outras culturas. Já há algum tempo vemos um movimento de pessoas que procuram fazer viagens longas – seis meses, um ano ou mais, morando fora para conhecer, estudar ou trabalhar em outra realidade. As histórias que vemos mostram como essas experiências fora do contexto social e cultural que fomos criados provocam mudanças em quem experimenta: de aparência, corte de cabelo, peso, roupas, a outras mais profundas, mas difíceis de captar com um primeiro olhar ou primeira conversa. Falamos dessas viagens e como elas podem transformar a vida de alguém, mas esquecemos de falar da volta de uma viagem transformadora, que pode ser tão ou mais difícil que os desafios enfrentados na viagem, e trazer tantos aprendizados quanto. Eu morei quase dez meses na Tailândia. A princípio seria uma viagem de três meses, mas quando estava próximo do fim, resolvi ficar. Sabia o quão valiosas estavam sendo para mim para mim os aprendizados que eu estava vivenciando. Mudei de dieta – quase exclusivamente vegetariana agora, uma mudança enorme para uma carnívora convicta. Mudei de crenças, abarcando uma espiritualidade não-religiosa. Mudei de hábitos diários, incluindo yoga e meditação quase diariamente. Mudei de peso e aparência, reflexo de estar me amando e me cuidando melhor. Mas o mais importante: adquiri um novo kit de ferramentas para me relacionar comigo e com os outros. (mais…)

Por Ana Paula Coelho, atrás
Ferramentas

O que você deixa de fora do seu currículo?

Eu sou muito boa em fazer currículos. Lá com meus 18 anos, sem experiência e apenas com alguns cursos profissionalizantes para tentar conseguir um emprego, tive que aprender a ser criativa para pelo menos ser chamada para entrevistas. E olha, fiz muitos currículos e muitas entrevistas. Provavelmente foi isso que me ajudou a desenvolver essa habilidade, e hoje se você olha minha conta no Linkedin dá pra ver que eu acabei caminhando bem nessa estrada. Mas há cerca de um ano resolvi fazer diferente e publicar um descurrículo. De repende me dei conta que desde os meus 18 anos eu venho acumulando toda sorte de experiências variadas que teoricamente não servem para o mercado de trabalho. Bom, teoricamente, apenas. Porque o acúmulo dessas experiências, o prazer que elas me proporcionaram e as outras habilidades que essas experiências me fizeram aprender, servem e muito para qualquer tipo de trabalho que eu resolva fazer. Ele já está desatualizado, porque no último ano tanta coisa incrível me aconteceu! (mais…)

Por Ana Paula Coelho, atrás
Viagens

Quanto custa passar 6 meses na Tailândia fazendo yoga?

Desde que publiquei esse post sobre a escola de Yoga na Tailândia que estudo, muita gente tem me procurado com interesse de ir pra Tailândia, e querendo saber quanto custa ficar por lá durante algum tempo. Então quanto custa passar 6 meses na Tailândia fazendo yoga? O título do post está amplo, já que na verdade não vou falar de alguns custos de vários lugares na Tailândia, mas apenas de Ko Phangan, e mais precisamente, da região de Srithanu, área onde vivi mais de seis meses. Se você procura algo mais geral sobre a Tailândia, esse post vai ser útil pra você. Para vir para a Tailândia: passagens e visto Brasileiros não precisam de visto para viagens de turismo para a Tailândia. Você só precisa ter seu passaporte válido com o cartão de vacinação internacional anexo, com a vacina contra febre amarela carimbada e válida nele. Ao chegar em qualquer aeroporto internacional na Tailândia você deve passar primeiro pelo balcão de "Health Control", preencher um formulário e ganhar um carimbo do funcionário (não aceite pagar nada por isso se tentarem te cobrar, é de graça e já ouvi casos de gente tentando suborno). Com esse formulário preenchido vá até a fila da imigração com seu passaporte em mãos, e você vai ganhar um carimbo com 90 dias de permanência autorizada na Tailândia. Isso é devido ao acordo que ambos países fizeram, e dá a nós brasileiros uma super vantagem aqui quando queremos passar mais tempo no país para estudar ou passear. (mais…)

Por Ana Paula Coelho, atrás
Jornada

Um desafio não deixa de surgir até que você aprenda com ele

O principal desafio da minha vida é aprender a ter paciência. Tenho imensa dificuldade de ser paciente comigo, com os outros, com o mundo. Tenho uma grande urgência em viver e me irrito muito facilmente com quem não tem um ritmo parecido com o meu. Eu sei, é feio. E não gosto de admitir isso. E me causa muito sofrimento perceber que deixo de ficar em paz, que perco momentos de felicidade pelo simples fato de não conseguir esperar. (mais…)

Por Ana Paula Coelho, atrás
Jornada

Aprendendo a espalhar a felicidade

Das coisas maravilhosas e loucas que acontecem na Uncollege: fomos desafiados a criar algo que viralize em 48 horas e que entregue felicidade. Esse era o briefing da nossa Work Marathon, que está acontecendo agora! Nos reunimos, planejamos nosso tempo e começamos a jogar ideias do que fazer. Em duas horas tínhamos o planejamento pronto, em mais uma hora e meia o conceito, já com um manifesto e métricas. Tudo antes do almoço. Nosso deadline era começar a divulgar às 18:00. Fazendo e testando, pedindo desculpas e não permissão, trabalhando em equipe sem desperdício de tempo. (mais…)

Por Ana Paula Coelho, atrás
Cursos

Hackeando a vida – Desescolarização, economia colaborativa, movimento maker e nomadismo digital

Quando eu já tinha decidido vir para o Gap Year, ainda em BH recebi um convide muito feliz do Antônio Terra  (meu ex-professor, ex-chefe, grande amigo) para dar uma palestra no Uni-BH, faculdade em que me formei. Só tinha um pequeno problema de datas: o evento do Uni aconteceu entre 13 e 15 de abril e minha viagem de mudança pra Ilhabela já estava programada para dia 12, já que dia 13 começava aqui a Launch Phase. (mais…)

Por Ana Paula Coelho, atrás
Cursos

A intensidade de um programa de imersão

Escolher fazer um Gap Year, além de um ano fora da sua rotina normal, no programa aqui da Uncollege consiste em começar com dez semanas de imersão na casa-escola em Ilhabela. Pra além desse lugar paradisíaco que já contei por aqui, a experiência que é oferecida aqui todos os dias é profunda. O programa começou no dia 13/04, uma segunda-feira. Logo no primeiro workshop (como são chamadas as aulas, já que sempre convidam à prática) fomos lembrados ou apresentados ao conceito de empatia. (mais…)

Por Ana Paula Coelho, atrás