Ferramentas

O que você deixa de fora do seu currículo?

Eu sou muito boa em fazer currículos. Lá com meus 18 anos, sem experiência e apenas com alguns cursos profissionalizantes para tentar conseguir um emprego, tive que aprender a ser criativa para pelo menos ser chamada para entrevistas. E olha, fiz muitos currículos e muitas entrevistas. Provavelmente foi isso que me ajudou a desenvolver essa habilidade, e hoje se você olha minha conta no Linkedin dá pra ver que eu acabei caminhando bem nessa estrada. Mas há cerca de um ano resolvi fazer diferente e publicar um descurrículo. De repende me dei conta que desde os meus 18 anos eu venho acumulando toda sorte de experiências variadas que teoricamente não servem para o mercado de trabalho. Bom, teoricamente, apenas. Porque o acúmulo dessas experiências, o prazer que elas me proporcionaram e as outras habilidades que essas experiências me fizeram aprender, servem e muito para qualquer tipo de trabalho que eu resolva fazer. Ele já está desatualizado, porque no último ano tanta coisa incrível me aconteceu! (mais…)

Por Ana Paula Coelho, atrás
Cursos

Hackeando a vida – Desescolarização, economia colaborativa, movimento maker e nomadismo digital

Quando eu já tinha decidido vir para o Gap Year, ainda em BH recebi um convide muito feliz do Antônio Terra  (meu ex-professor, ex-chefe, grande amigo) para dar uma palestra no Uni-BH, faculdade em que me formei. Só tinha um pequeno problema de datas: o evento do Uni aconteceu entre 13 e 15 de abril e minha viagem de mudança pra Ilhabela já estava programada para dia 12, já que dia 13 começava aqui a Launch Phase. (mais…)

Por Ana Paula Coelho, atrás
Cursos

A intensidade de um programa de imersão

Escolher fazer um Gap Year, além de um ano fora da sua rotina normal, no programa aqui da Uncollege consiste em começar com dez semanas de imersão na casa-escola em Ilhabela. Pra além desse lugar paradisíaco que já contei por aqui, a experiência que é oferecida aqui todos os dias é profunda. O programa começou no dia 13/04, uma segunda-feira. Logo no primeiro workshop (como são chamadas as aulas, já que sempre convidam à prática) fomos lembrados ou apresentados ao conceito de empatia. (mais…)

Por Ana Paula Coelho, atrás
Jornada

Ainda que tardia – A chegada no Uncollege Brasil

Finalmente começou! Um ano após esse blog entrar no ar, eu coloquei o pé na estrada e estou realizando esse projeto. Dá pra acreditar? Eu ainda estou absorvendo esse impacto, confesso. Tive que passar por muita coisa nesse último mês e meio desde que coloquei essa história em movimento, desde que mandei um e-mail pro Uncollege contando que tinha interesse em vir pra cá. Mas isso vai ser uma história pra outro post, pra semana que vem, prometo. Agora já existe um calendário editorial para o AQT, graças a uma oficina que já tive aqui na escola, e a tudo mais que tem acontecido desde que cheguei aqui: mudança de estilo de vida, tempo pra mim, desconexão dessa vida maluca que eu levava. [caption id="attachment_397" align="aligncenter" width="640"]Começo da jornada, ainda que tardia. Começo da jornada, ainda que tardia.[/caption] (mais…)

Por Ana Paula Coelho, atrás
Cursos

Desescolarização, hackschooling e ano sabático

O filósofo e educador Mário Sérgio Cortella usou certa vez a seguinte frase para definir o atual paradigma educacional em que nos encontramos: "Temos uma metodologia do século XIX, professores do século XX e alunos do século XXI". Em um mundo com acesso virtualmente ilimitado à informação, em que não há mais um detentor sagrado do conhecimento, o mestre, e alunos incautos que não poderiam obter conhecimento se não tivessem acesso a esse sujeito ou à estrutura de bibliotecas e conhecimento fornecida por uma instituição, e é plausível que algumas pessoas comecem a questionar que esse seja ainda não apenas o modelo vigente mais quase o único possível. Até muito recentemente. Alguns de vocês já devem ter visto essa palestra do Ted que mostra esse menino que hackeou a própria educação. Ele tinha alguns questionamentos a respeito da educação tradicional e resolveu se tornar protagonista do próprio aprendizado, e escolher o que e como gostaria de aprender. E história dele é inspiradora, e aponta novos rumos num novo mundo. (mais…)

Por Ana Paula Coelho, atrás